Dicas

NÃO DEPRECIE SEU PATRIMÔNIO: CUIDE DE SEUS TRANSDUTORES

A qualidade e a facilidade de diagnóstico e o preço de venda de um equipamento de Ultrassom ou Ecocardiógrafo estão diretamente relacionados ao estado dos transdutores.

Por muitos anos, os fabricantes sempre impuseram a idéia de que os transdutores eletrônicos não tinham conserto. Esta afirmação é somente meia verdade, pois foram desenvolvidas técnicas que permitem a substituição da membrana acústica (que chamaremos de lente), a reconstrução do cabo e reparos na caixa plástica do transdutor, que representam 70% dos defeitos

O exclusivo equipamento "FirstCall" permite realizar uma análise gráfica e não invasiva do transdutor, desde o conector até a lente, cristal a cristal, dando diagnósticos de cabos quebrados, bolhas de ar na lente ou mesmo de cristais mortos ou com pouco rendimento.

É muito importante destacar que um transdutor com um pequeno furo, um pequeno trincado na moldura plástica, sombras sem justificativa na imagem e/ou interferências podem ser características que por analogia, podemos chamar de um câncer: se for diagnosticado e corrigido de início terá reparo (cura), mas se deixarmos avançar tornará impossível a recuperação.

O furo na lente, bem como um trincado na moldura plástica, provoca a entrada de gel no interior do transdutor, que apesar de ser não condutor elétrico, provoca uma eletrólise entre os fios que alimentam os cristais (note que em um transdutor poderão ter 384 ligações num espaço ínfimo) e que as tensões de alimentação dos cristais são da ordem de 130 Volts.

Com o uso, os cabos tendem a se quebrar, principalmente próximo ao transdutor. Isso provoca de imediato falhas verticais na imagem e por outro lado, com a ruptura, os cabos podem se curto-circuitar e provocar a queima de canais da placa de entrada do equipamento.

A ATCS tem mais de 10 anos de atividades. Instalada em prédio próprio, com sala limpa, área de trabalho para materiais químicos, cabine de pintura, capela e bombas de vácuo. Sua equipe é composta por engenheiros e técnicos especializados e treinados junto aos fabricantes. Além disso, conta com o suporte de um engenheiro químico e um professor doutor em física, responsáveis pelos aprimoramentos dos métodos e utilização dos diversos materiais.

Como em todos os ramos, existe o improviso e as tentativas de conserto por pessoas inabilitadas, que por falta de informação, estrutura ou puro “achismo”, fazem barbaridades nos transdutores, que podem até funcionar de imediato, mas com certeza abreviarão a vida útil dos mesmos.

Não se deixe enganar.